Assembleia Geral reuniu cerca de 30 entidades associadas à Rede Cerrado em Brasília para debater novas estratégias e ações conjuntas em defesa do Bioma e seus povos 

União de esforços e saberes, resistência dos povos, movimento, esperança, partilha, defesa e gratidão. Essas foram algumas das palavras e sentimentos que permearam a Assembleia Geral da Rede Cerrado, que ocorreu em Brasília (DF), nos últimos dias 03 e 04 de maio. A atividade reuniu cerca de 50 pessoas representantes de 30 entidades associadas à Rede Cerrado de todo o Brasil. O principal objetivo foi traçar estratégias e ações conjuntas para intensificar a atuação da Rede em defesa do Bioma, de seus povos e comunidades tradicionais.


Durante a abertura do evento, Maria do Socorro Teixeira Lima, mais conhecida como dona Socorro, do Movimento Interestadual das Quebradeiras de Coco Babaçu (MIQCB) e atual coordenadora-geral da Rede Cerrado, lembrou que essa foi a primeira assembleia realizada após a eleição da nova coordenação, que assumiu os trabalhos em 2016. A expectativa, com a retomada das atividades, para ela, foi superada. “A gente está confiante que a partir dessa assembleia a Rede Cerrado vai retomar suas lutas de apoio e de defesa do Bioma com ainda mais força e unidade”. 

Dona Socorro ainda lembrou a importância do Cerrado para a manutenção dos ciclos hídricos. “A Amazônia faz chover. Mas, quem estoca também é importante. E aí, eu estou falando do Cerrado. A chuva chega, mas sem a natureza em pé não tem chuva, sem chuva não tem água e se não tem água não tem vida”, destacou Maria do Socorro.  

Já para Rodrigo Noleto, do Instituto Sociedade, População e Natureza (ISPN) e atual coordenador administrativo da Rede Cerrado, lembrou que nesta nova fase, dois projetos ajudarão a Rede Cerrado, principalmente, no âmbito do fortalecimento institucional e da incidência política. “Durante a assembleia discutimos formas de participação e a retomada de alguns espaços importantes. A gente quer trazer o Cerrado como um Bioma fundamental que está indo embora e está cada vez mais frágil. Não somente suas organizações, mas seus povos e sua terra. Está tudo desaparecendo”, alertou Noleto. 

A Assembleia Geral da Rede Cerrado ocorreu em um período em que o Bioma sofre graves ameaças, sendo substituído rapidamente por extensas áreas de monoculturas e pecuária. A devastação do Cerrado já chega a 52% do território (superando, em proporção, o desmatamento da Amazônia) e isso está comprometendo nascentes, rios, riachos, além das culturas e práticas sustentáveis de conservação dos povos e das comunidades tradicionais que ali vivem. O contexto reforçado durante todo o encontro fez com que a Rede Cerrado reafirmasse seu compromisso em defesa do Bioma, dos seus povos e comunidades tradicionais.

Compromisso que fez Lucely Morais Pio, da Associação Pacari e representante quilombola na Rede Cerrado, recordar o encanto que sentiu quando conheceu a Rede Cerrado. “Uma luta que temos dentro das comunidades quilombolas é manter o Cerrado em pé. E isso é uma bandeira que a Rede defende”. Ela que acompanha a Rede Cerrado desde 1999, ainda disse que a entidade representa um local de encontro e, mais que isso, de resgate de culturas. “Tem muita comunidade que está perdendo sua história e a Rede Cerrado vem colocar força para gente se encontrar e se fortalecer”, salientou a quilombola com um sentimento fortalecido para a continuidade da caminhada.

O envolvimento foi compartilhado por Luís Carrazza, da Central do Cerrado. “A gente percebe que pela resposta à convocação, pela presença das pessoas nesta assembleia, pela disposição e pelo entusiasmo, que a Rede faz sentido para todos nós”. Para ele, a Rede Cerrado é muito mais que um espaço político e de incidência política. Ela é também um lugar de trocas de experiências e de relacionamento com outras organizações e pessoas que defendem o Cerrado, seus povos e comunidades tradicionais. “A gente tem um conjunto de riquezas culturais e de saberes que faz com que essa integração seja incrível”. 

Já Irene Maria dos Santos, do Instituto Brasil Central, que acompanha a Rede Cerrado desde a sua criação, em 1992, destacou a grande relevância da Rede por ser, em um único espaço, uma articulação, uma mobilização e um intercâmbio de experiências. “Se a gente, enquanto sociedade civil, não se organiza, a gente não tem possibilidade de avançar em uma política pública de desenvolvimento sustentável para o Cerrado. A gente precisa desse lugar!”.

Dentre os encaminhamentos que resultaram da Assembleia Geral, os principais deles foram: a criação de grupos de trabalhos temáticos para fortalecer os debates em diferentes instâncias de incidência e a formação de uma rede de comunicadoras e comunicadores composta por membros das entidades associadas à Rede Cerrado. Além disso, foram definidas atividades como encontros de formação e oficinas temáticas.   

Conheça os projetos em execução pela Rede Cerrado

Dois projetos subsidiarão as atividades da Rede até o ano de 2019: o Projeto de Apoio para o Fortalecimento Institucional da Rede Cerrado, com recursos do Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos (CEPF, na sigla em inglês para Critical Ecosystem Partnership Fund), e o projeto junto ao Programa DGM/FIP (Dedicated Grant Mechanism for Indigenous People and Local Communities - Fundo de Investimento Florestal), do Banco Mundial. 

Serão, a princípio, dois anos dedicados a ações e atividades que visam a promoção de frentes como: a mobilização e o fortalecimento institucional; a gestão de informações e comunicação; e a articulação de políticas da Rede Cerrado junto aos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário. 

Reportagem: Thays Puzzi / Rede Cerrado
Foto: Méle Dornelas / ISPN

Agenda

Vídeo

REDE CERRADO

SHCGN CLR Quadra 709 Bloco "E" Loja 38 

Brasília - DF  - CEP 70.750-515 

(61) 3327.8085 This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.